Como calcular o salário líquido passo a passo


Elisângela Dias
Elisângela Dias
Gestora de Recursos Humanos

Para profissionais com carteira assinada, conhecida pela sigla CLT, o salário bruto deve passar por alguns descontos até obter o valor que realmente é recebido: o salário líquido.

O salário bruto é também conhecido por salário nominal, já que este é apenas um acordo feito da empresa para o trabalhador. Após todos os descontos existentes é que se obtém o valor do salário líquido.

Se preferir, pode experimentar nossa calculadora online de salário líquido:

Ajuda
Insira o seu salário bruto: o valor de salário ainda sem a aplicação de descontos oficiais referentes ao INSS e ao IR (Imposto de Renda).
Ajuda
Insira o número de dependentes (cônjuge, filhos até 21 anos, pais e avós (desde que não obtenham rendimentos).
Ajuda
Insira o total de descontos, que não correspondam ao INSS ou IRRF.

A seguir apresentamos, em passos, os descontos que devem ser feitos e como que se chega ao valor do salário recebido.

1. Descontar o INSS do salário bruto

O INSS é descontado para que, futuramente, se torne sua aposentadoria, ou caso venha a ser demitido, servirá como base para o pagamento do seguro-desemprego.

Seu cálculo é feito pelo salário bruto multiplicado por uma porcentagem, e este valor será destinado à previdência social. A alíquota descontada depende do valor do salário:

Tabela de descontos ao INSS
Base de cálculo (R$)Alíquota de desconto (%)
Até 1.693,728%
De 1.693,73 a 2.822,909%
De 2.822,91 até 5.645,8011%

Para quem recebe acima de R$ 5.645,80 contribui com o máximo da previdência, equivalente a R$ 621,04 (11% de R$ 5.645,80).

Exemplo de cálculo

Se considerarmos um salário de R$ 2.300,00 o desconto será de 9%, feito pelo cálculo:
R$ 2.300,00 x 0,09 = R$ 207,00

Com esse valor é possível subtrair do salário bruto e obter o salário após a contribuição ao INSS, que no exemplo será de R$ 2.093,00 (R$ 2.300,00 - R$ 207,00). É com esse valor que passamos ao próximo passo: o Imposto de Renda.

2. Descontar o imposto de renda retido na fonte

Após o desconto feito para a previdência social é possível saber quanto se deve destinar ao imposto de renda. Este imposto é retido da fonte, ou seja, é descontado diretamente pelo empregador e entregue à Receita Federal.

Para isso, existe uma tabela de IRRF (imposto de renda retido na fonte) que mostram as porcentagens de descontos para cada valor de salário bruto sem o INSS, que atualmente é a seguinte:

Tabela de descontos ao IRRF
Base de cálculo (R$)Alíquota (%)Parcela dedutível (R$)
Até 1.903,980%0,00
De 1.903,99 até 2.826,657,5%142,80
De 2.826,66 até 3.751,0515%354,80
De 3.751,06 até 4.664,6822,5%636,13
Acima de 4.664,6927,5%869,36

Aqui será considerado o valor do salário como base de cálculo e, a partir deste, a alíquota e um valor a ser deduzido (reduzido) deste imposto a pagar. Além destes, existe uma dedução de R$ 189,59 por cada dependente do trabalhador, se tiver.

Exemplo de IRRF sem dependente

Continuando com o exemplo anterior, onde o salário após os descontos ao INSS ficou em R$ 2.093,00. Este valor possui a alíquota entre R$ 1.903,99 e R$ 2.826,65, neste caso de 7,5%.

Se for considerado que não há nenhum filho ou outro dependente, então o desconto pela alíquota será de:
R$ 2.093,00 x 0,075 = R$ 156,98

Mas ainda existe uma dedução, segundo a tabela, de R$ 142,80:
R$ 156,98 - R$ 142,80 = R$ 14,18

Ao final, para descobrir o salário líquido basta subtrair desta quantia que descobrimos anteriormente:
R$ 2.093,00 - R$ 14,18 = R$ 2.078, 83

Exemplo de IRRF com um dependente

Será diferente se alguém com o mesmo salário tiver, por exemplo, um filho que se torna dependente para o cálculo. Neste caso deverá deduzir o valor de R$ 189,59, ficando o cálculo como:
R$ 2.093,00 - R$ 189,59 = R$ 1.903,41

É a partir deste novo valor de R$ 1.903,41 que se calculam a alíquota e a dedução como anteriormente. Porém é possível perceber que este valor na tabela é isento e não há descontos ao imposto de renda, sendo o valor de salário líquido o próprio valor de R$ 2.093,00.

3. Subtrair outros descontos adicionais

Existem outros descontos que costumam aparecer como opção ao trabalhador e acordados com o setor de Recursos Humanos da empresa. Os mais comuns são:

  • Plano de saúde; 
  • Vale-transporte;
  • Empréstimos;
  • Contribuição sindical.

No caso do vale-transporte o valor a descontar do pagamento será de no máximo 6% do salário bruto. A partir deste valor, o adicional fica por parte da empresa, caso o funcionário gaste mais com sua deslocação para o trabalho.

Exemplo de cálculo de desconto por vale-transporte

Como exemplo, vamos supor o mesmo funcionário com salário bruto de R$ 2.300,00, com custos de transporte no valor de R$ 150,00. O desconto em folha será de:
R$ 2.300,00 x 0,06 = R$ 138,00

É possível perceber que o funcionário precisa de R$ 150,00 ao mês para custear seu transporte, mas o desconto autorizado por lei fica abaixo, em R$ 138,00. O restante é desembolsado pela própria empresa, que neste caso é de R$ 12,00 (R$ 150,00 - R$ 138,00).

4. Subtrair todos os descontos

Como falamos no início, somente depois de todos os descontos realizados é que obtemos o valor do salário líquido, e aquele que realmente recebemos.

Continuando com os exemplos, podemos subtrair todos os descontos de um salário bruto de R$ 2.300,00. Vale lembrar que, os descontos para um trabalhador com e sem dependentes serão diferentes ao final, por conta do imposto de renda de cada um.

Exemplo de salário líquido sem nenhum dependente

Para o salário de R$ 2.300,00 temos os descontos de:

  • INSS: R$ 207,00
  • IRRF: R$ 14,18
  • Outros descontos (Vale-transporte): R$ 138,00

Salário Líquido: R$ 2.300,00 - R$ 207,00 - R$ 14,18 - R$ 138,00 = R$ 1.940,82

Exemplo de salário líquido com um dependente

Com um dependente, o funcionário com o mesmo salário terá diferente o valor de imposto de renda a descontar, que neste exemplo, devido às deduções não tem IRRF a pagar, ficando seu salário líquido como:

Salário Líquido: R$ 2.300,00 - R$ 207,00 - R$ 138,00 = R$ 1.955,00.

Elisângela Dias
Elisângela Dias
Graduada em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Estácio de Sá em 2004. Pós graduada em Gestão de Projetos pela Universidade Cândido Mendes em 2007.