Como calcular o salário líquido passo a passo


Elisângela Dias
Elisângela Dias
Gestora de Recursos Humanos

Para profissionais com carteira assinada, conhecida pela sigla CLT, o salário bruto deve passar por alguns descontos até obter o valor que realmente é recebido: o salário líquido.

O salário bruto é também conhecido por salário nominal, já que este é apenas um acordo feito da empresa para o trabalhador. Após todos os descontos existentes é que se obtém o valor do salário líquido.

Se preferir, pode experimentar nossa calculadora online de salário líquido:

Ajuda
Insira o seu salário bruto: o valor de salário ainda sem a aplicação de descontos oficiais referentes ao INSS e ao IR (Imposto de Renda).
Ajuda
Insira o número de dependentes (cônjuge, filhos até 21 anos, pais e avós (desde que não obtenham rendimentos).
Ajuda
Insira o total de descontos, que não correspondam ao INSS ou IRRF.

A seguir apresentamos, em passos, os descontos que devem ser feitos e como que se chega ao valor do salário recebido.

1. Descontar o INSS do salário bruto

O INSS é descontado para que, futuramente, se torne sua aposentadoria, ou caso venha a ser demitido, servirá como base para o pagamento do seguro-desemprego.

Seu cálculo é feito pelo salário bruto multiplicado por uma porcentagem, e este valor será destinado à previdência social. A alíquota descontada depende do valor do salário:

Tabela de descontos ao INSS
Base de cálculo (R$)Alíquota de desconto (%)
Até 1.693,728%
De 1.693,73 a 2.822,909%
De 2.822,91 até 5.645,8011%

Para quem recebe acima de R$ 5.645,80 contribui com o máximo da previdência, equivalente a R$ 621,04 (11% de R$ 5.645,80).

Exemplo de cálculo

Se considerarmos um salário de R$ 2.300,00 o desconto será de 9%, feito pelo cálculo:
R$ 2.300,00 x 0,09 = R$ 207,00

Com esse valor é possível subtrair do salário bruto e obter o salário após a contribuição ao INSS, que no exemplo será de R$ 2.093,00 (R$ 2.300,00 - R$ 207,00). É com esse valor que passamos ao próximo passo: o Imposto de Renda.

2. Descontar o imposto de renda retido na fonte

Após o desconto feito para a previdência social é possível saber quanto se deve destinar ao imposto de renda. Este imposto é retido da fonte, ou seja, é descontado diretamente pelo empregador e entregue à Receita Federal.

Para isso, existe uma tabela de IRRF (imposto de renda retido na fonte) que mostram as porcentagens de descontos para cada valor de salário bruto sem o INSS, que atualmente é a seguinte:

Tabela de descontos ao IRRF
Base de cálculo (R$)Alíquota (%)Parcela dedutível (R$)
Até 1.903,980%0,00
De 1.903,99 até 2.826,657,5%142,80
De 2.826,66 até 3.751,0515%354,80
De 3.751,06 até 4.664,6822,5%636,13
Acima de 4.664,6927,5%869,36

Aqui será considerado o valor do salário como base de cálculo e, a partir deste, a alíquota e um valor a ser deduzido (reduzido) deste imposto a pagar. Além destes, existe uma dedução de R$ 189,59 por cada dependente do trabalhador, se tiver.

Exemplo de IRRF sem dependente

Continuando com o exemplo anterior, onde o salário após os descontos ao INSS ficou em R$ 2.093,00. Este valor possui a alíquota entre R$ 1.903,99 e R$ 2.826,65, neste caso de 7,5%.

Se for considerado que não há nenhum filho ou outro dependente, então o desconto pela alíquota será de:
R$ 2.093,00 x 0,075 = R$ 156,98

Mas ainda existe uma dedução, segundo a tabela, de R$ 142,80:
R$ 156,98 - R$ 142,80 = R$ 14,18

Ao final, para descobrir o salário líquido basta subtrair desta quantia que descobrimos anteriormente:
R$ 2.093,00 - R$ 14,18 = R$ 2.078, 83

Exemplo de IRRF com um dependente

Será diferente se alguém com o mesmo salário tiver, por exemplo, um filho que se torna dependente para o cálculo. Neste caso deverá deduzir o valor de R$ 189,59, ficando o cálculo como:
R$ 2.093,00 - R$ 189,59 = R$ 1.903,41

É a partir deste novo valor de R$ 1.903,41 que se calculam a alíquota e a dedução como anteriormente. Porém é possível perceber que este valor na tabela é isento e não há descontos ao imposto de renda, sendo o valor de salário líquido o próprio valor de R$ 2.093,00.

3. Subtrair outros descontos adicionais

Existem outros descontos que costumam aparecer como opção ao trabalhador e acordados com o setor de Recursos Humanos da empresa. Os mais comuns são:

  • Plano de saúde; 
  • Vale-transporte;
  • Empréstimos;
  • Contribuição sindical.

No caso do vale-transporte o valor a descontar do pagamento será de no máximo 6% do salário bruto. A partir deste valor, o adicional fica por parte da empresa, caso o funcionário gaste mais com sua deslocação para o trabalho.

Exemplo de cálculo de desconto por vale-transporte

Como exemplo, vamos supor o mesmo funcionário com salário bruto de R$ 2.300,00, com custos de transporte no valor de R$ 150,00. O desconto em folha será de:
R$ 2.300,00 x 0,06 = R$ 138,00

É possível perceber que o funcionário precisa de R$ 150,00 ao mês para custear seu transporte, mas o desconto autorizado por lei fica abaixo, em R$ 138,00. O restante é desembolsado pela própria empresa, que neste caso é de R$ 12,00 (R$ 150,00 - R$ 138,00).

4. Subtrair todos os descontos

Como falamos no início, somente depois de todos os descontos realizados é que obtemos o valor do salário líquido, e aquele que realmente recebemos.

Continuando com os exemplos, podemos subtrair todos os descontos de um salário bruto de R$ 2.300,00. Vale lembrar que, os descontos para um trabalhador com e sem dependentes serão diferentes ao final, por conta do imposto de renda de cada um.

Exemplo de salário líquido sem nenhum dependente

Para o salário de R$ 2.300,00 temos os descontos de:

  • INSS: R$ 207,00
  • IRRF: R$ 14,18
  • Outros descontos (Vale-transporte): R$ 138,00

Salário Líquido: R$ 2.300,00 - R$ 207,00 - R$ 14,18 - R$ 138,00 = R$ 1.940,82

Exemplo de salário líquido com um dependente

Com um dependente, o funcionário com o mesmo salário terá diferente o valor de imposto de renda a descontar, que neste exemplo, devido às deduções não tem IRRF a pagar, ficando seu salário líquido como:

Salário Líquido: R$ 2.300,00 - R$ 207,00 - R$ 138,00 = R$ 1.955,00.

Este artigo foi útil?
Elisângela Dias
Elisângela Dias
Graduada em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Estácio de Sá em 2004. Pós graduada em Gestão de Projetos pela Universidade Cândido Mendes em 2007.