Previdência privada é para você? 5 perguntas para ajudar a decidir


Elisângela Dias
Elisângela Dias
Gestora de Recursos Humanos

A preocupação com o futuro e com a aposentadoria fizeram com que os planos de previdência privada ficassem em evidência. Com o objetivo de garantir uma renda futura, a maioria dos planos oferecem opções com uma grande variedade de preços e atrativos. Mas como decidir se você possui o perfil para investir em um plano desses?

A seguir, 5 perguntas para ajudar você a decidir:

1. Como você definiria o seu perfil de investidor?

Mais conservador, moderado ou agressivo?

Quem possui um perfil de investidor mais conservador, irá privilegiar sempre a segurança em seus investimentos. O foco do perfil conservador é a preservação do seu patrimônio.

No perfil moderado, existe alguma tolerância ao risco em termos de investimento. Geralmente, este é o tipo de investidor que possui um patrimônio com tamanho suficiente para arriscar uma parte.

Já no caso do perfil agressivo, a mentalidade vigente é a de aproveitar as maiores oportunidades de lucro. São investidores com sangue frio e que aceitam correr riscos sem se abalar.

2. Você possui disciplina para poupar dinheiro?

Se você é o tipo de pessoa que possui dificuldade em separar algum dinheiro para o futuro, pode encarar o plano de previdência privada como uma poupança forçada.

Agora, se você tem facilidade em deixar de lado algum dinheiro pensando no futuro, avalie se outros tipos de investimentos podem ser mais atrativos. Principalmente em termos de tributação, segurança e rentabilidade.

Entre as opções alternativas de investimento de renda fixa, destacamos o Certificado de Depósito Bancário (CDB), títulos públicos e a poupança. Para quem possui um perfil moderado ou agressivo, existem as ações e os fundos de índice, também conhecidos como ETFs (Exchange-traded Funds) .

3. Você faz uso da declaração de imposto de renda completa?

Ao contratar um Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL), você poderá abater os valores contribuídos no imposto de renda.

Neste caso, é possível abater no máximo 12% do rendimento tributável a partir do valor das contribuições realizadas. Lembrando que para usufruir deste abatimento, é necessário ter realizado contribuições para a previdência social.

Se você normalmente faz uso da declaração simplificada, o melhor é optar pelo Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL).

4. Você acha que poderá precisar do dinheiro dentro de um período inferior a dez anos?

A liquidez dos planos de previdência privada para resgates em períodos inferiores a dez anos é muito baixa. Isto ocorre por causa da elevada carga tributária, que costuma ser de até 35% para resgates dentro deste período.

Portanto, neste investimento, não compensa aplicar o dinheiro por um curto prazo.

Veja abaixo a tabela de tributação do imposto de renda para o regime regressivo:

Tabela regressiva do imposto de renda
Tempo de aplicação Alíquota
Até 2 anos 35%
De 2 a 4 anos 30%
De 4 a 6 anos 25%
De 6 a 8 anos 20%
De 8 a 10 anos 15%
Acima de 10 anos 10%

5. Você se preocupa com a sucessão patrimonial?

A sucessão patrimonial é a transferência formalizada de um patrimônio de um proprietário para seus beneficiários.

Os planos do tipo VGBL funcionam como um seguro de vida. O valor não entra em inventário e está livre de cobrança de imposto sobre heranças.

É uma opção ideal para quem se preocupa em deixar um patrimônio para os beneficiários após seu falecimento.

Saiba mais: Como escolher o plano de previdência privada mais adequado

Elisângela Dias
Elisângela Dias
Graduada em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Estácio de Sá em 2004. Pós graduada em Gestão de Projetos pela Universidade Cândido Mendes em 2007.